Mel é saudável, menos para bebe

 

Alimento versátil que ajuda na cicatrização de feridas, facilita a digestão e previne úlceras bucais.

O mel vem sendo usado ao longo de toda história por suas propriedades terapêuticas e curativas.  Cobrir uma ferida ou úlcera com mel acelera a recuperação, graças ao seu poder antisséptico e seu efeito inibidor ao crescimento de fungos e bactérias.

Também diminui o risco de desenvolver gengivite, ingerido, traz ainda mais benefícios, pois facilita a digestão e, segundo estudos combate as bactérias que causam intoxicação alimentar.

A fonte de alimentação das abelhas influencia o mel. Seu poder curativo é maior quando elas extraem o pólen de plantas benéficas.

O mel previne o envelhecimento da pele, ajuda a combater doenças como gripe e resfriados, tosse e doenças respiratórias, como a asma, bronquite, rinite, sinusite. Fortalece o sistema nervoso e a memória, além de ter propriedades antissépticas e antibióticas. Ajuda no sistema digestivo e na desintoxicação do organismo.

Um grande aliado contra a tosse é o mel. Não é mito, é verdade e está comprovado cientificamente pelos especialistas no assunto. O mel funciona melhorando a tosse, pois protege a mucosa da garganta evitando a irritação e a inflamação.

 

Nutrientes

Vitaminas B2, B6, ferro, manganês

 

Benefícios

- Fonte de energia rápida

- acrescenta sabor aos alimentos e bebidas e aumenta a validade de pães, bolos e biscoitos

 

Seus inconvenientes

- contém mais calorias que o mesmo volume de açucar

- o mel pode estar contaminado com esporos Clostridium botulinum, o que pode ser perigoso para bebês até um ano de idade

 

Risco para Bebês

antes da idade de 1 ano, elas apresentam imaturidade do aparelho digestivo e, portanto, não têm condições de se defender de algumas bactérias, entre elas a Clostridium botulinum, que causa o botulismo. A doença atinge o sistema nervoso e interfere com a comunicação entre os neurônios, prejudicando a contração muscular e levando à paralisia dos músculos.

Esporos de Clostridium botulinum foram encontrados em cerca de 10% dos tipos de mel testados por centros de controle e prevenção de doenças.

Embora não sejam perigosos para os adultos e crianças mais velhas, os bebês não devem ser alimentados com mel porque o C. botulinum pode causar uma doença grave no primeiro ano de vida.

O ideal seria evitar  até os 3 anos de idade a possibilidade de intoxicações graves com uma bactéria encontrada comumente no mel chamada Clostridium boltulino.

 

Mas os benefícios do mel são muito maiores que suas contra-indicações. 

TOP